Back to Top
site 7132   hyhy

Mundo

Dolores O’Riordan, vocalista principal e compositora da famosa banda de rock irlandesa, The Cranberries, morreu inesperadamente aos 46 anos, no dia 15 de janeiro de 2018. A assessoria da artista confirmou a trágica notícia, explicando que ela estava em Londres para uma breve sessão de gravação.


Em setembro de 1995, Dolores cantou a “Ave-Maria” com Luciano Pavarotti num show beneficente em Módena, na Itália.


https://www.youtube.com/watch?time_continue=194&v=hVrHiLdmt4w


Na plateia, estava a princesa Diana. O jornal Independent relembrou o encontro de Dolores Lady Di:


“A estrela de Limerick [Irlanda] ia ao banheiro quando Pavarotti a deteve e a trouxe para encontrar Diana. Dolores sentou-se com ela e tomou uma taça de vinho. Diana imediatamente explicou a Dolores que a razão pela qual ela chorou na sua apresentação era porque sua mãe, Frances, amava a Ave-Maria.


Ela ainda acrescentou que era uma grande fã da banda The Cranberries.


Lisonjeada, Dolores disse a Diana: ‘Deve ser muito difícil ser uma princesa’.


Diana contou a Dolores que ‘não, deve ser mais difícil ser uma estrela do rock, porque você tem que fazer shows no mundo inteiro’.


[…]
‘Diana foi muito doce […]’, disse Dolores, que acrescentou: ‘Então, depois, eu disse para ela: tenho que ir ao banheiro. Você quer ir comigo? Você conhece a forma como as meninas vão junto ao banheiro! E ela disse: eu realmente preciso ir também, mas não posso’.


Dolores perguntou o motivo.


‘Porque se eu me levantar eles têm que tocar um sino e todos devem se levantar quando eu vou ao banheiro.’ Eu disse a ela: ‘Ser uma princesa é muito mais difícil do que ser uma estrela do rock!’”


O’Riordan, que alguns anos atrás revelou sua triste história de abuso sexual, virou vocalista principal da banda The Cranberries em uma audição e liderou com sucesso a banda por vários anos. O grupo lançou cinco álbuns completos. O disco No Need To Argue (1994) vendeu 17 milhões de cópias em todo o mundo.


Nascida em Limerick em 1971, O’Riordan era a caçula de sete irmãos e, segundo o El País, foi educada no catolicismo. “Dolores devia seu nome à profunda fé católica de sua mãe. Ela não era praticante, mas se declarou admiradora do papa João Paulo II, a quem visitou com a mãe no Vaticano”, publicou o site.


Em entrevista depois de se encontrar com o Papa João Paulo II disse que sua fé era uma de suas grandes influências musicais:


“A Igreja influenciou muito o meu desenvolvimento como artista e como profissional da música. Aprendi muito da minha música através da igreja e coisas assim. Para mim sempre foi uma coisa boa, uma coisa positiva na minha vida” disse Dolores, que deixou três filhos.


O pároco da sua cidade natal, o padre James Walton, confirmou que o funeral de O’Riordan acontecerá na Irlanda, na paróquia de Ballybricken e Bohermore. A data dependerá de quando o corpo for trasladado ao país.( J-P Mauro / Redação da Aleteia )

Quarta, 14 Fevereiro 2018 15:47

A dor do Papa pela tragédia das crianças-soldado

Escrito por

Giada Aquilino e Jackson Erpen - Cidade do Vaticano

 

“É forte a dor que sinto pelas muitas crianças arrancadas de suas famílias para serem usadas como soldados. Isso é uma tragédia!”.


Esta é a mensagem do Papa Francisco publicada em sua conta twitter neste Dia Internacional contra o Uso de Crianças-Soldado, recorrência que marca a entrada em vigor em 12 de fevereiro de 2002, do Protocolo opcional à Convenção sobre direitos da Infância.


Segundo dados da ONU, ao menos 250 mil crianças lutam em diversos conflitos armados em todo o mundo.

 

Precedentes apelos do Papa

 

A voz do Pontífice levantou-se em diversas oportunidades contra esta chaga. No discurso ao membros do Corpo Diplomático acreditado junto à Santa Sé no início de 2014, o Papa Francisco recordou como causa “horror” o simples pensar sobre a existência de crianças que ainda hoje são utilizadas como soldados, por forças regulares ou irregulares que sejam.


Na videomensagem com as intenções de oração para o mês de dezembro de 2016, assim como em um tuíte em 2017, Francisco exortou a se “fazer todo o possível” para que seja respeitada a dignidade das crianças e para se colocar fim a tal “forma de escravidão”.

 

Esta chaga segundo “Terre des Hommes”

 

Infelizmente nos últimos anos, “com o multiplicar-se das guerras irregulares, de guerrilhas, com os novos fenômenos do terrorismo e com o prolongar-se de todos estes conflitos, o número de crianças-soldado – e falamos de crianças, com 11,12, 13 anos – começou a aumentar”, explica Raffaele Salinari, presidente da organização “Terre des Hommes” Itália, que há anos faz parte da coalização internacional “Stop Child Soldiers”.

 

Crianças-soldado no mundo

 

Os países mais atingidos pelo fenômeno são os africanos: “a África central e agora, nos últimos anos, também a África Subsaariana”, precisa Salinari, explicando porém tratar-se de “um fenômeno que sempre teve também uma forte incidência na América Latina, nas guerrilhas latino-americanas, que arrefeceram nos últimos anos, como por exemplo as Farc, na Colômbia”.


O fenômeno permanece também no “sudeste asiático, por exemplo, nas Filipinas, no Sri Lanka e em algumas partes na fronteira entre a Índia e Paquistão”.

Os usos e a violência

 

As Nações Unidas explicam que estas crianças são empregadas como combatentes, mensageiros, espiões, cozinheiros; e as jovens, em particular, são obrigadas a prestar serviços sexuais, o que as privando de seus direitos à infância.


“Devemos dizer – prossegue o presidente de Terre des Hommes Italia – que se trata, de fato, de crianças”, pequenos “usados” como “verdadeiros soldados, que são enviados às batalhas”.


Hoje, “as armas mais comuns – e falamos de Ak47, de Kalashnikov – foram readaptadas para serem usadas também por crianças de 12, 13, 14 anos”.


Depois são destinados à logística: “a criança é veloz, é aquela que menos se percebe, que pode transportar armas de um lugar a outro na fronteira”, observa Salinari.


Por fim, um emprego “ao qual seguidamente são destinadas as meninas”, é o “da tropa: não somente para trabalhos mais humildes, mas também para prostituição infantil”.

O esforço do Papa, com crentes e não-crentes

 

Uma verdadeira tragédia, não hesita o Papa Francisco em definir o fenômeno.


Raffaele Salinari explica que a voz do Pontífice “é uma voz de grande testemunho”, que deve levar “crentes e não crentes”, antes de tudo, “a ocuparem-se da obra de desmobilização destas crianças”, procurando “levar a paz e assim evitar que os exércitos, especialmente os irregulares, recrutem os pequenos”.


Uma vez realizada a desmobilização – sublinha ele – “a criança tem necessidade de um longo período de reintegração” e “de ser ouvida”.


Portanto, é necessário “que os seus talentos e as suas capacidades tenham uma alteração de sinal: uma criança que pode utilizar uma arma é também uma criança que pode tornar-se um bravo mecânico; uma criança que tem certa noção de território é – conclui – também uma criança que pode se tornar um líder de comunidade”. (Aleteia)

Quinta, 01 Fevereiro 2018 10:44

O Ocidente, sem Cristo, caiu na tolice e na escuridão

Escrito por

"Surpreso, fiquei sabendo de pessoas que vivem ali à espera dos extraterrestres, chegando mesmo a rezar para eles..."


Vi na televisão um programa sobre a Chapada dos Veadeiros. Surpreso, fiquei sabendo de quantas pessoas vivem ali à espera de um contato com extraterrestres. Um desses devotos dos ETs vive numa verdadeira disciplina ascética, preparando-se para o encontro com os seres de outros planetas; é vegetariano, vive na pobreza e fez voto de castidade; chega mesmo a rezar para eles…


Como é louca a humanidade! Como é desorientada a nossa civilização ocidental! Primeiro, a partir do século XVIII, declaramos que o homem se tornara adulto e emancipado. Era necessário matar toda verdade religiosa e tudo quanto não coubesse na cachola miúda da razão humana. Assim, negou-se toda religião sobrenatural, toda revelação de Deus a Israel e inventou-se, no Ocidente, um deus distante, teórico, Arquiteto do Universo, distante, frio e inútil… Depois, nosso Ocidente negou Deus de vez: era preciso matar Deus – dizia-se – para que o homem vivesse de verdade. Assim, esta nossa civilização ocidental, colocou o homem no trono que pertence somente a Deus.


Esta razão endeusada e este homem no centro de tudo (na escola no ensinaram o absurdo que foi um ótimo negócio passar do teocentrismo medieval para o antropocentrismo do renascimento, como se o homem fosse Deus e Deus fosse apenas um detalhe…) levaram o Ocidente a duas guerras crudelíssimas, com mais 70 milhões de mortos… Depois das guerras (do nazismo em nome da razão, do fascismo em nome da racionalidade, do marxismo em nome da ciência e da história), veio a ressaca: não se crê mais em nada: nem no Deus revelado, nem na razão, nem nas instituições, nem nos grandes projetos…


Agora, não é mais o homem no centro; é somente o indivíduo, sozinho, fechado, egoísta, com uma ilusãozinha, uma moralzinha, um projetozinho, um deusinho segundo a sua imagem e semelhança medíocre e escrava de mil paixões…


No vazio de Deus, na negação do cristianismo, o Ocidente encontra-se perdido – alegremente perdido, bebadamente iludido e inconsciente de sua perdição! Procura-se desesperadamente encher o vazio existencial e encontrar um sentido para a vida no consumismo, no poder a qualquer custo, nas drogas, no endeusamento da natureza, no turismo desenfreado, nas seitas, na promiscuidade, na busca frenética pelo prazer e a autoafirmação… É assim: tire Deus, apague o Cristo da consciência do nosso Ocidente e fica somente o vazio, um homem infantilizado, presa das velhas práticas pré-cristãs…


Era para ser claro, palpável: sem Deus, o homem definha, o homem torna-se menos homem. Fomos, todos nós, feitos para o Infinito, para o Absolutamente Outro, o Eterno, e somente nessa abertura encontramos o Sentido, a Direção, o Eixo da nossa existência. O homem não é fruto da natureza; o homem é fruto do Autor na natureza, que nela impregna um desígnio, um sonho de amor: o homem é imagem de Deus, criado para Deus, com um coração que não se contenta com menos que Deus! Tire Deus e endeuse o que não é Deus; elimine o Deus verdadeiro e torne-se escravo de mil ídolos mentirosos!


O cristianismo, na Antiguidade, vencendo o paganismo, deu ao Ocidente a firmeza conceitual e a clareza de visão da vida e do mundo que permitiram o surgimento de uma civilização que tornou-se planetária. Esse Ocidente volta as costas para o Cristo e torna-se presa de todos os infantilismos e escravidões dos quais o cristianismo o havia libertado: desprezo pela vida humana, adoração infantilóide na natureza, falta de sentido para a existência, angústia, medo do sofrimento e da morte…


Que você, meu Amigo, tenha certeza: ainda haveremos de ver muita coisa! A tolice tem ares de sabedoria; a superstição tem pose de religião; a loucura tem fama de profunda lucidez…


Pobre homem, pobre Ocidente! Quanto precisamos de Deus; quantos temos necessidade daquele que é o Caminho, a Verdade e a Vida!


Dom Henrique Soares da Costa
Bispo de Palmares, PE

Supostos "ex"-membros têm desertado para a Colômbia. Muitos deles revelam: eram financiados pelo regime chavista para "gerar o caos"


A rede televisiva Caracol, da Colômbia, conseguiu entrevistar “motorizados” (motoqueiros) venezuelanos que têm cruzado a fronteira entre os dois países e se dirigido a Cúcuta, no lado colombiano, entre os refugiados humanitários. Trata-se de homens que pertenceram a grupos armados conhecidos como “colectivos chavistas” e que confessaram ter sido recrutados pelo governo de Nicolás Maduro para aterrorizar e assassinar pessoas.

 

FINANCIADOS PELO REGIME


Os ex-membros dos “colectivos” também revelaram à emissora que recebiam dinheiro do governo chavista para “fazer caos”. Embora esta informação já fosse vastamente conhecida pela população, ainda que obviamente negada pelo governo chavista, o que se desconhecia até então eram os valores pagos a cada vândalo contratado: havia um piso de 5.000 bolívares (equivalentes a 500 dólares na cotação de 2016) e alguns “bônus especiais”.


ARMAMENTO PESADO E DESINFORMAÇÃO ORQUESTRADA


Entre as atividades confiadas aos vândalos estava até mesmo o transporte de granadas e armamento pesado. De acordo com um dos entrevistados, os atos de violência encomendados pelo governo chavista e executados pelos “colectivos” eram sistematicamente atribuídos aos manifestantes de oposição, como parte da estratégia do regime venezuelano para subjugar a população mediante o medo e a desinformação.


ENVOLVIMENTO DE POLÍTICOS CHAVISTAS E NARCOTRAFICANTES


Alguns dos (supostamente) “ex”-motorizados venezuelanos afirmaram à emissora Caracol:


“O próprio governador [do Estado venezuelano de Aragua] nos mandou bloquear estradas e causar desordem. Muitos dos meus companheiros assassinaram várias pessoas. O dono da Goodyear em Aragua foi assassinado no meio desses tumultos”.


Tarek-El-Aissami, vice-presidente da Venezuela, foi governador daquele Estado entre 2012 e 2016. Ele está sendo investigado pelo governo dos Estados Unidos por supostas atividades de narcotráfico desde 2015. Rafael Isea, governador de Aragua no período anterior ao de El-Aissami, denunciou o atual vice-presidente por aceitar pagamentos do chefão narcotraficante Walid Makled para permitir a entrada de carregamentos de droga na Venezuela.


TROPA DE CHOQUE DO GOVERNO MADURO

 

Calcula-se que, só no Estado de Aragua, pelo menos 300 “motorizados” atuavam nos “colectivos chavistas“, treinados por Cuba e pelas Farc para prestar apoio armado ao regime de Nicolás Maduro.


Paramilitares dispostos a tudo, eles formam as forças de choque oficialistas que agridem de políticos opositores a jornalistas e civis, além de assassinarem manifestantes. A maioria dos seus crimes fica impune.
Os “motorizados” que cruzaram a fronteira colombiana e foram entrevistados pela TV Caracol relataram à emissora:


“Eles [os ‘colectivos chavistas’] fazem o trabalho sujo. A polícia evita disparar porque isso teria consequências legais. Os ‘colectivos’ armados têm liberdade para disparar e matar (…) O mal-estar que existe por causa da escassez, da fome e da corrupção, em qualquer país do mundo, faria os cidadãos saírem às ruas para protestar em massa. O regime precisa manter a população controlada. E os ‘colectivos’ ou grupos armados são o instrumento – e muito eficaz, com certeza”.


FOLHA DE PAGAMENTO


E como são feitos os pagamentos? Um dos entrevistados respondeu à Caracol:


“Eles estão na folha das prefeituras chavistas, na folha dos ministérios, dos governos, e o próprio governo os contrata como guarda-costas e funcionários de segurança”.

 

CRUZANDO FRONTEIRAS


Os “motorizados” que atravessaram para Cúcuta afirmam ter medo de voltar à Venezuela: eles se declaram arrependidos e dizem ser vítimas de ameaças do regime, que os considera desertores.


“A Venezuela não se suporta mais. Os nossos filhos estão morrendo de fome. O que eles [do governo chavista] fazem constantemente é nos ameaçar”.


Cabe perguntar: quantos “ex”-mercenários chavistas estão migrando (ou sendo “exportados”), em meio aos refugiados humanitários, para países vizinhos como a Colômbia e o Brasil?( Macky Arenas / Francisco Vêneto |30 de Janeiro de 2018)

A propaganda abortista fala em "direitos humanos", mas a verdade por trás dela é de cinismo estarrecedor


APlanned Parenthood é a maior rede de clínicas abortistas dos Estados Unidos e a mais influente do mundo. Está envolvida em escândalos gigantescos que incluem até mesmo o tráfico de órgãos e tecidos fetais para fins de lucro. Saiba mais sobre essa rede conferindo os artigos listados ao final deste texto.


A fundadora da Planned Parenthood foi Margaret Sanger, que, ironicamente, era a sexta de 11 filhos de uma família operária de origem irlandesa. Sanger alegava que a sua organização visava ajudar famílias a planejarem o nascimento dos filhos, quando, em realidade, outras declarações feitas por ela deixam escapar a sua fervorosa defesa de uma eugenia “negativa”.


Trata-se de uma doutrina que consiste em debilitar o conceito e a prática do casamento, promover a esterilização e eliminar fisicamente certos grupos de indivíduos portadores de genes “indesejáveis”, a fim de “melhorar o ser humano”.


Confira 5 citações que desmascaram as verdadeiras convicções de Margaret Sanger:


1. “Não é necessário que circule a ideia de que queremos exterminar a população negra”


Como revela uma de suas cartas ao Dr. Clarence Gambler, datada de 19 de dezembro de 1939, Sanger incentivou a esterilização de pessoas consideradas “inaptas”, como os negros, as minorias étnicas, os doentes e os deficientes. De acordo com a organização norte-americana Live Action, o Instituto Guttmacher (antiga divisão de pesquisa pró-aborto do planejamento familiar) estimou que os afro-americanos eram cinco vezes mais propensos a recorrer ao aborto que os brancos. As clínicas de “planejamento familiar” foram estrategicamente implantadas, portanto, nas comunidades de negros e minorias étnicas. Ainda hoje, 37% dos abortos são praticados pelos membros da comunidade negra, que representa, porém, apenas 13% da população dos EUA.


2. “Eu aceitei o convite para entrar em contato com o ramo feminino da Ku Klux Klan”


Esta citação vem de um discurso de Margaret Sanger em 1926 durante reunião da Ku Klux Klan em Silver Lake, New Jersey, transcrito em sua autobiografia (A autobiografia de Margaret Sanger).


“Eu fui escoltada até a tribuna, fui apresentada e então comecei meu discurso… Acho que, no fim, alcancei o meu objetivo por meio de ilustrações simples”.
3. “Eles são (…) as ervas daninhas da humanidade”, “reprodutores irresponsáveis”, “geram (…) seres humanos que jamais deveriam ter vindo ao mundo”
No livro Pivot of Civilization, Sanger se refere aos pobres e aos imigrantes explicando que, no caso deles, a “caridade” se baseia no erro ideológico.
4. “O controle dos nascimentos consiste, nem mais nem menos, na eliminação das pessoas inadequadas”


Em escritos como “A ética e o controle dos nascimentos” e “O controle dos nascimentos e a nova raça”, Sanger afirma que o controle da natalidade procura principalmente produzir uma “raça mais própria”, eliminando quem ela considera “inadequado”.


5. “Acho que o maior de todos os pecados é trazer filhos ao mundo”


Esta citação vem de uma entrevista de 1957 com o jornalista Mike Wallace:


“Eu acho que o maior de todos os pecados é trazer filhos ao mundo – que têm doenças por causa dos seus pais, que não terão a chance de se tornarem seres humanos dignos desse nome. Delinquentes, prisioneiros, todo tipo de coisa que já está inscrito no nascimento. Esse, para mim, é o maior pecado que se pode fazer”.
Como solução, Margaret Sanger preconizou que cada família americana pedisse permissão ao governo para ter um filho. Ela já tinha declarado à revista America Weekly em 1934:
“Tornou-se necessário estabelecer um sistema de permissão de nascimentos”.(Aleteia)
_____
Confira aqui alguns dos escândalos envolvendo a rede Planned Parenthood:
https://pt.aleteia.org/2015/07/22/estarrecedor-acougue-humano-maior-conglomerado-abortista-dos-eua-vende-orgaos-de-fetos-assassinados/
https://pt.aleteia.org/2015/07/22/estarrecedor-acougue-humano-maior-conglomerado-abortista-dos-eua-vende-orgaos-de-fetos-assassinados/
https://pt.aleteia.org/2015/10/23/mais-uma-vez-a-ciencia-desmascara-o-acougue-humano-da-rede-abortista-planned-parenthoodmais-uma-vez-a-ciencia-desmascara-o-acougue-humano-da-rede-abortista-planned-parenthood/
https://pt.aleteia.org/2015/08/11/bebes-abortados-sao-usados-para-fazer-cosmeticos-e-ate-alimentos/
https://pt.aleteia.org/2017/04/27/rituais-satanicos-em-clinicas-de-aborto-um-ex-satanista-abre-o-jogo/

E, justamente por isto, ser cristão exige uma ruptura com o pensamento do mundo que nos circunda


Confesso que não assisto muito os programas de televisão. Vez por outra, no entanto, tomo o controle remoto e passeio pelos vários canais.


Fiz isto numa semana e fiquei impressionando. Anunciava-se um programa chamado “Amor e Sexo”. No comercial vi a apologia da separação matrimonial: um “ex-marido” gabando-se de estar já no sexto “casamento” e o animado aplauso que recebeu por tal façanha. O que deveria ser uma dor e uma vergonha – o fracasso de um matrimônio –, uma dor mesmo independentemente de religião e de crença, uma dor pelo simples fato de amor não ser brincadeira, relação afetiva não ser joguete, vida familiar e felicidade dos filhos não serem algo a se tratar de modo leviano, tornou-se, na nossa cultura rasa e vulgar, motivo de ufania, de gabolice, de elogio e de aplauso!


Continuei pelos canais…


Dei com um, infantil. Ali, num programa de desenho animado destinado a crianças, com o uso aberto e descarado de palavrões, fazia-se apologia clara, direta e insistente da prática da homossexualidade como caminho de realização e felicidade. Mais ainda: afirmou-se diretamente que os “inimigos dos homossexuais”, os homofóbicos miseráveis e preconceituosos, são os simpatizantes do Partido Republicano norte-americano, os nazistas e os cristãos!


Afirmações desse quilate num programa infantil, no horário vespertino! De modo absolutamente desonesto, acusam-se os cristãos de serem homofóbicos e os equipara desavergonhadamente aos nazistas! E tudo isto num inocente desenho animado, ao qual os filhos assistem sem que os genitores se deem conta do tipo de conteúdo nocivo que vai penetrando a consciência e a inconsciência de suas crianças.


Estejamos atentos que não mais vivemos numa sociedade cristã. Muito pelo contrário, a força formadora de cultura atual, a matriz geradora do modo de pensar e viver agora é pagã, pós-cristã e até mesmo anticristã, claramente destinada a arrancar qualquer vestígio de uma consciência fundada na civilização cristã, agora vista como arcaica, opressiva, repressiva e obscurantista. Assim sendo, quem desejar ser cristão de corpo, alma e consciência, que não se iluda: esteja atento criticamente aos meios de comunicação e aos formadores de opinião – e aqui incluo também os meios acadêmicos. Vale hoje, plenamente, a advertência do Senhor: “Se o mundo vos odeia – isto é, não vos preza, não vos ama, não vos tem estima, vos despreza – sabei que primeiro odiou a Mim. Se fôsseis do mundo, o mundo amaria o que é seu!”


Ser cristão, mais que em outras épocas, exige uma ruptura com o pensamento do mundo que nos circunda e a coragem de viver valores que brotam do Evangelho.


Dom Henrique Soares da Costa
Bispo de Palmares, PE

Segunda, 22 Janeiro 2018 14:05

Os ossos de São Pedro estão no Vaticano?

Escrito por

A origem da dúvida


A grandeza e o esplendor do conjunto arquitetônico da Basílica de São Pedro estão intrinsecamente unidos à glorificação de São Pedro, Príncipe dos Apóstolos.


Ele foi o primeiro da longa série de Papas que, como Vigários de Nosso Senhor Jesus Cristo, têm conduzido e conduzirão a Igreja até o fim dos tempos.


A Basílica foi construída em função do túmulo de São Pedro. Representação material consoladora da promessa de Nosso Senhor: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja” (Mt 16,18).


Porém, quando São Pedro radicou o seu trono em Roma, no ano 42, as aparências eram outras.


No século I, funcionava no local o circo de Calígula, um dos mais depravados Césares pagãos. Esse circo servia para corridas de quadrigas e os mais torpes espetáculos.


São Pedro viu aquele circo ser restaurado, engrandecido e enriquecido pelo imperador Nero, que iniciou as perseguições aos cristãos. O próprio São Pedro foi ali crucificado no ano 67.


O corpo do Apóstolo foi depositado num esquálido túmulo ao lado do circo; e os fiéis, nos interstícios das perseguições, o iam venerar.


Podemos imaginá-los cheios de fé, iludindo a vigilância da soldadesca e talvez ouvindo os bramidos das multidões no circo, aproximando-se cautelosamente para elevar uma prece naquele túmulo sagrado e revigorar sua certeza no triunfo da Igreja.


Levantam-se templos sucessivos

 

Planta de São Pedro. Azul: atual; marrom: constantiana-medieval; verde: Circo romano


Tem-se notícia de um singelo templo erguido sobre o túmulo de São Pedro pelos primeiros cristãos.


Nada dele restou, pois em seu lugar, no ano 325, Constantino, à testa de um Império cristianizado, mandou construir uma magnífica basílica em estilo romano, em honra do Príncipe dos Apóstolos.


Esta basílica constantiniana sofreu sucessivas reformas e acréscimos, e também toda espécie de calamidades.


Em 847, os sarracenos a pilharam. Para protegê-la dos maometanos, o Papa Leão IV a rodeou com um muro e torres fortificadas.


A área assim protegida foi chamada de Cidade Leonina, que foi o embrião da hodierna Cidade do Vaticano.


Em volta da basílica surgiram igrejas e mosteiros. Os Papas construíram um dos seus melhores palácios.


No interior, o venerando templo albergava quanto havia de mais precioso ofertado por gerações de peregrinos.

 

São Pedro, basílica constantiniana com reformas medievais.


Quando o Papa Martinho V retornou a Roma, encerrando mais de um século de cisma, a velha basílica semi-abandonada ameaçava ruir.


Nicolau V quis edificar uma nova, mas faleceu em 1455, tendo completado apenas alguns alicerces.

Construção da atual Basílica


O Papa Júlio II confiou o plano da Basílica e a sua execução ao famoso arquiteto Bramante. Júlio II em pessoa, na presença de 35 cardeais, colocou a pedra fundamental há 500 anos, em 18 de abril de 1506.


A construção da Basílica durou mais de um século, tendo sido consagrada em 18 de novembro de 1626 por Urbano VIII. Bramante fora sucedido por artistas como Rafael e Michelangelo.


O Papa Paulo V dispôs que a Basílica tivesse forma de cruz latina, para melhor se adequar ao espírito da Contra-Reforma.


Porém, após tantos séculos e reformas começou um zum-zum que insinuava que as relíquia de São Pedro não estariam ali.

 

Em 1953 foi achado um antigo túmulo hebraico com a inscrição “Simão filho de Jonas”.


O achado arqueológico foi objeto de um livro “Gli Scavi del Dominus Flevit”, redigido por dois sacerdotes, os Pe. Bellarmino Bagatti OFM (1905-1990) e Józef Tadeusz Milik (1922-2006).


O livro foi alimentou a suspeita de que os ossos de São Pedro não se encontravam em Roma.


O historiador Schaff até avançou a idéia de que São Pedro nunca esteve em Roma. Para isso manipulou a Epístola de São Paulo aos Romanos, que remonta ao ano 58.


Nela, São Paulo não menciona São Pedro, embora cita os nomes de 28 líderes da igreja em Roma (Rom. 16:7). São Paulo que esteve também em Roma, onde foi martirizado, escreveu que “só Lucas está comigo”. [1 Tim. 4:11]


A instrumentalização das citações era de molde a semear a dúvida. Se em São Pedro de Roma não estão as relíquias de São Pedro como a Igreja sempre disse, Ela seria pega numa fraude risível.


Assista o vídeo em inglês, legendado em português, acessando:


https://cienciaconfirmaigreja.blogspot.com.br/2018/01/os-ossos-de-sao-pedro-estao-no-vaticano.html

 

O subsolo da Basílica de São Pedro. Um dos maiores tesouros da fé cristã, as relíquias do primeiro Papa, São Pedro. Trecho do documentário THE HIDDEN WORLD, da BBC.(Aleteia)

“Onde está a Corte quando acontecem as coisas na Venezuela? A Corte vê o que ideologicamente lhe convém”


Por David Ramos para a agência católica ACI Digital


A resposta da Corte Interamericana de Direitos Humanos à Costa Rica, exigindo a aprovação do casamento e da agenda gay, é uma imposição e uma “flagrante violação da soberania” que afetaria toda a América Latina, advertiram diversos especialistas.
A Corte Interamericana publicou no último dia 9 de janeiro a sua “Opinião consultiva sobre identidade de gênero e não discriminação aos casais do mesmo sexo”, através da qual responde a uma série de consultas realizadas pela Costa Rica sobre temas de identidade de gênero e casamento homossexual.


Segundo este documento, o registro de mudança de sexo em documentos estaduais “é um direito protegido pela Convenção Americana” de Direitos Humanos.


Em seguida, a Corte exige que se estendam as figuras jurídicas existentes no país “aos casais formados por pessoas do mesmo sexo – incluindo o casamento”.


O organismo também determina que a Convenção Americana “não protege um determinado modelo de família” e assegura que “a própria definição de família não é exclusiva daquela integrada por casais heterossexuais”.


Além disso, a Corte encorajou os países signatários do Pacto de São José, atribuídos a sua jurisdição, a “vencer dificuldades institucionais para adaptar a sua legislação e estender o direito de acesso à instituição do casamento aos casais do mesmo sexo”.


A Corte Interamericana, organismo da Organização dos Estados Americanos (OEA), é formada por sete juízes, eleitos pelas delegações dos países signatários da Convenção Americana por um período de seis anos, com possibilidade reeleição.


Para o advogado e deputado Mario Redondo, candidato à presidência da Costa Rica pelo Partido Aliança Democrata Cristã, a resolução da Corte Interamericana causa “um profundo aborrecimento”, porque “é uma flagrante violação da soberania da Costa Rica”.


Em declarações ao Grupo ACI, Redondo criticou que a decisão de “um pequeno grupo de pessoas agindo como juízes” seja colocada “acima da vontade majoritária de um povo”.
O político da Costa Rica assegurou que buscarão realizar um trabalho conjunto “com deputados de outros lugres da América”, em busca de “conseguir um apoio internacional a fim de que a mesma Organização dos Estados Americanos impeça os excessos da Corte e da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que tenta impor a agenda de pequenos grupos sobre a soberania e a vontade de amplos setores da população em todo o continente”.


“Se aceitarmos isso, amanhã nos impõem o aborto, depois de amanhã nos impõem qualquer outro tipo de coisas”, advertiu.
Além disso, o candidato à presidência da Costa Rica assinalou que, frente às eleições presidenciais e parlamentares do dia 4 de fevereiro de 2018 no país, “tentaremos assegurar um apoio político, uma ação política que nos permita um governo que definitivamente possa chegar a promover estas transformações da OEA e não um governo que seja tão complacente com este tipo de coisas”.


O advogado peruano Juan Puertas, especialista em argumentação legal, explicou ao Grupo ACI que a opinião consultiva foi realizada pela “Costa Rica e que é válida para o país”.


Entretanto, precisou, “isso implica que amanhã ou depois, quando eventualmente um caso sobre esses temas termine na Corte, já sabemos qual seria o parecer da Corte acerca desses temas”.
Puertas indicou que a Corte Interamericana “criou um conceito teórico chamado controle de convencionalidade”, através do qual “as decisões emitidas pela Corte Interamericana devem ser respeitadas por todos os estados”.


Assinalou ainda que isso levou os órgãos judiciais “ativistas”, como o Tribunal Constitucional do Peru, a tomarem ao pé da letra “qualquer decisão emitida pela Corte”.
O advogado criticou que a Corte Interamericana “é uma Corte ativista, é uma Corte que defende somente as causas de esquerda e neomarxistas”.


“Por um lado, aplaude a paz das FARC, condena os militares no Peru e liberta os terroristas. Defende todas as causas abortistas e todas as causas LGTBI (lésbicas, gays, transexuais, bissexuais e intersexuais)”.


Entretanto, “quando nos perguntamos onde está a Corte quando acontecem as coisas na Venezuela, não existe Corte”, assinalou, pois “a Corte vê o que ideologicamente lhe convém”.


“Em um bom momento esta tendência no Peru está provocando abandonar a competência da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que se deslegitima a si mesma”, acrescentou.


Para Laura Fernandez, Mestre em Políticas Públicas e Governo Democrático e candidata a deputada na Costa Rica pelo Partido Aliança Democrata Cristã, o documento da Corte Interamericana é “um golpe à soberania nacional” e “uma resolução que se impõe e quer atropelar a Constituição Política da Costa Rica”.


Fernández sublinhou que a Costa Rica “é uma sociedade de princípios e valores, somos um Estado confessional católico, constitucionalmente estabelecido, além disso, somos constitucionalmente estabelecidos como uma nação que defende a vida, cuja célula fundamental é a família”.


“Sem dúvidas, o país terá que começar outros tipos de ações e mecanismos para repudiar esse tipo de resoluções”, assegurou.


A cientista política da Costa Rica lamentou que “o problema fundamental” no país atualmente “seja que infelizmente o partido ‘Acción Ciudadana’ esteja no poder, pois este partido se vendeu e abaixou a cabeça aos grupos LGBTI e aos outros grupos que estão contra a maioria desta sociedade”.


“Esperamos que nas eleições do dia 4 de fevereiro, os costarriquenhos levem em consideração” e que “abram os seus olhos, acordem” ante esta situação.


Fernández disse que anunciou “uma forte oposição a qualquer iniciativa desta natureza” e assinalou que faz parte de um grupo de mais de 700 parlamentares latino-americanos “que disseram ‘não’ à imposição de resoluções da Corte Interamericana, que perturbam princípios e valores do povo costarriquenho e de outras latitudes da América Latina”.( ACI Digital (Aleteia) | 12 de Janeiro de 2018)

Terça, 16 Janeiro 2018 17:46

Papa Francisco teme guerra nuclear

Escrito por

"Sim, realmente tenho medo. Estamos no limite. Basta um incidente para desencadear a guerra"


O papa Francisco reconheceu que tem medo de que um incidente desencadeie uma guerra nuclear.


“Estamos no limite”, confessou nesta segunda-feira aos jornalistas que o acompanhavam a bordo do avião que o levava ao Chile, primeira etapa de sua viagem que inclui também o Peru.


“Sim, realmente tenho medo. Estamos no limite. Basta um incidente para desencadear a guerra. Não se pode correr o risco de que a situação precipite. Portanto, é preciso destruir as armas nucleares”, enfatizou.


Francisco fez esses comentários após distribuir aos 70 jornalistas que o acompanham no voo uma foto tirada em Nagasaki depois da explosão da bomba atômica em 1945.
A foto, cuja legenda é “fruto da guerra”, é a mesma que a assessoria de imprensa do Vaticano publicou poucas horas ante de terminar ó pocas horas antes de terminar 2017, e na qual se vê um menino que espera numa fila segurando o corpo de seu irmão morto pela explosão para que possa ser cremado.


“É uma imagem feita pelo fotógrafo americano Joseph Roger O'Donnell depois do bombardeio atômico em Nagasaki. A tristeza do menino se expressa em seus lábios mordidos e cobertos de sangue”, explicou o pontífice. (Aleteia-AFP)

O Papa Francisco convidou 2100 sem-teto, refugiados, presos e voluntários para um espetáculo de circo, que vai acontecer no dia 11 de janeiro de 2018. Foi o que informou o bispo polaco Konrad Krajewski, encarregado das obras de caridade papais.


O espetáculo é oferecido pelo Circo Medrano, que deixou sua lona e seus artistas disponíveis para a iniciativa batizada de “Circo Caridade”.


O evento é organizado pela Esmolaria Apostólica, a secretaria da Santa Sé que tem a tarefa de praticar a caridade em nome do Sumo Pontífice. Em 2016, o Papa fez um convite parecido aos pobres de sua diocese (Roma).


Essa é mais uma ação de caridade do Papa, que construiu duchas, barbearia, hospital para sem tetos e um refeitório comunitário ao lado do Vaticano.


A Esmolaria vaticana – por ordem do Papa – já organizou entre outros eventos, concertos e visitas à Capela Sistina.


Francisco também já teve momentos memoráveis com os artistas de circo durante o seu pontificado. “Vocês são artesãos da festa, da maravilha”, disse o papa aos 7 mil artistas recebidos em audiência no dia 16 de junho de 2016.


Cabe lembrar um momento curioso do encontro do Papa com os circenses: o susto que um tigre deu no Sucessor de Pedro. Na metade do espetáculo, o locutor convidou o Papa a tocar no animal de seis meses (e 130 quilos), que estava amarrado e entretido com sua mamadeira.


No momento em que Francisco estendeu a mão para acariciar o felino, o animal virou-se e deu uma grande rosnada para o Papa, que pulou de susto. Mas nada de muito grave.
Antoine Mekary/ALETEIAVATICAN, ROME, JUNE 16: Pope Francis pets a tiger during a meeting with participants of a Jubilee meeting for circus and traveling show people. He thanked the performers for opening up their shows “to the most needy, the poor and the homeless, prisoners and disadvantaged kids,” Vatican Radio reported. He also called on churches and parishes to be more attentive to the needs of traveling performers. (Photo by Antoine Mekary/ALETEIA)

Página 1 de 12