Back to Top
site 7132   hyhy
Segunda, 18 Fevereiro 2019 11:40

Vereador Juarez quer ajudar o HM

Escrito por

O Vereador Juarez, cujo partido detém o cargo de vice no Governo do Estado, adiantou que estaria indo à Porto Alegre, ao gabinete do Deputado Estadual do PTB, para intermediar uma agenda com o vice-governador, Ranolfo Vieira Jr., em que a pauta será o Hospital Montenegro, não somente a questão dos atrasados, mas também seus projetos futuros.(Foto:Acom Câmara)

Segundo ele ficou uma grande dúvida? Quem iria fiscalizar o uso dos fogos? “ Se nem conseguimos fiscalização para o básico, que são, por exemplo, os vendedores de abacaxi. Como seria feita essa fiscalização dos fogos?”, questionou.
O projeto foi rejeitado por cinco votos contrários: Felipe Kinn da Silva, Juarez da Silva, Erico Velten, Neri de Mello Pena – Cabelo e Valdeci Alves de Castro. O Vereador Talis disse que houve pressão externa para a retirada do projeto. (Foto: Arquivo pessoal)

Segunda, 18 Fevereiro 2019 11:24

Brigada Militar de Montenegro prende indivíduo traficando

Escrito por

O fato aconteceu na tarde de domingo, no Bairro Ferroviário. Uma guarnição da Brigada Militar abordou o individuo e durante a revista foi encontrado uma quantia de drogas que o mesmo estava vendendo. Foi dada voz de prisão e o mesmo foi encaminhado para a Delegacia de Polícia.(Talis ferreira)

Na manhã dessa sexta-feira foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão na cidade de Montenegro. O principal alvo foi uma boate às margens da Estrada Maurício Cardoso, onde, segundo o Delegado Paulo Ricardo, havia tráfico de drogas. Disse ainda foram presas cinco pessoas que não tinham renda formal para ter os bens que ostentavam. Dos cinco presos, dois foram pelos mandados, dois por porte de armas e um por estar foragido.
A investigação sobre o tráfico de drogas já vinha sendo feita há mais de sete meses. O principal produto vendido na boate era a cocaína. (Foto: Polícia Civil)

Sexta, 15 Fevereiro 2019 13:49

A diferença entre a verdadeira e a falsa humildade

Escrito por

Miguel Pastorino / Matthew Green (Aleteia) | 14 de Fevereiro de 2019


A humildade é uma virtude incompreendidae não deve ser confundida com baixa auto-estima


A humildade é vista por muitos como uma virtude de valor questionável, porque muitas vezes é mal interpretada como humilhação.


A humildade incompreendida pode ser absolutamente perigosa quando entendida de uma maneira contrária ao seu significado original na espiritualidade bíblica e na tradição judaico-cristã.


As pessoas com baixa autoestima geralmente interpretam a humildade como uma forma de agressão e desdém para consigo mesmo. Pode até ser uma forma de hipocrisia, ou uma desculpa para a preguiça, quando nos subestimamos intencionalmente. Evitamos a dificuldade de alcançar nosso potencial total, negando que somos capazes disso.


Que a humildade não é


A humildade não deve ser confundida com baixa autoestima, timidez, sentimentos de inferioridade ou autodegradação. Embora ser humilde exija reconhecer nossas próprias dificuldades, limitações e limites, isso não significa fazer uma demonstração deles.
Humildade significa viver na verdade, aceitando que não somos perfeitos. A humildade não tem a ver com nos colocarmos para baixo, mas com realismo.


Muitas pessoas pensam que são humildes, quando, na realidade, estão constantemente reclamando e falando sobre quão desafortunadas são, concentrando-se inteiramente em si mesmas, o que é uma forma oculta de orgulho.
A verdadeira humildade não significa olhar constantemente para a nossa própria pequenez e comparar-nos aos outros. Fazer essas comparações significa constantemente nos voltarmos para nós mesmos e apenas ver os outros como uma ameaça.
Pessoas humildes não precisam sentir que são melhores que as outras. Ao mesmo tempo, nem sempre cedem ao que os outros querem, nem se deixam oprimir; elas simplesmente têm uma perspectiva ampla e profunda da realidade, na qual elas veem seu próprio lugar sem ter que debater quem está melhor ou pior.


A humildade não é uma virtude a ser conquistada para alcançar a autoperfeição, o que na verdade leva ao orgulho; em vez disso, trata-se de reconhecer a verdade sobre você e estar em paz com ela.


A frase comum “em minha humilde opinião” não é nada além de orgulho disfarçado. Quando a humildade se torna explícita, não é mais humildade.


Quando alguém diz: “Eu sou apenas uma pessoa humilde”, ele não está sendo humilde. A humildade não se anuncia; é praticada em silêncio.


Se alguém é humilde, outras pessoas podem dizer, mas ninguém pode se rotular como “uma pessoa humilde”. É por isso que as pessoas humildes geralmente não se destacam; elas não buscam publicidade – especialmente para não se promoverem como “humildes”.


Humildade é autenticidade


A psicologia contemporânea usa o termo “autenticidade” mais que a humildade. Significa viver a verdade sobre si mesmo, ser honesto consigo mesmo e com os outros.


A humildade é um sinal de maturidade psicológica e espiritual e de liberdade interior. Em vez de uma série de comportamentos que devemos adotar, a humildade é um modo de ser e de se relacionar com os outros. É caracterizada pela maneira como uma pessoa se aceita e se valoriza.


Na tradição cristã, a humildade é centralizar nossas vidas em Deus e não em nós mesmos. Significa aceitar que não somos o centro do universo e que o mundo não gira em torno de nós.


A humildade era entendida pelos antigos mestres da espiritualidade cristã como um valoroso autoconhecimento que nos torna mais humanos e mais conscientes de nossa própria pequenez e limitações, sem pretender ser algo que não somos. De fato, Santo Agostinho diz que “toda humildade consiste em conhecer a si mesmo”.


No entanto, humildade não é resignação. São João Crisóstomo descreveu a humildade como “a mãe de todas as virtudes”, como fundamento e raiz, porque só podemos forjar a virtude se primeiro reconhecermos e aceitarmos em que áreas somos fracos e precisamos crescer.


As pessoas humildes querem melhorar a si mesmas e podem fazer isso porque não mentem para si mesmas ou para os outros; elas vivem na verdade. Elas não são orgulhosas, porque reconhecem seus defeitos de boa vontade; elas não são pessimistas, porque acreditam que podem mudar em resposta ao chamado de Deus à santidade e com a ajuda de Sua graça. Não ter medo de ver e reconhecer nossos erros nos torna capazes de crescer e amadurecer.


Ao mesmo tempo, pessoas verdadeiramente humildes se regozijam no bem de outras pessoas e na grandeza que as cerca. Elas estão completamente livres de complexos de inferioridade e da necessidade de se comparar com os outros. Pessoas humildes são livres; elas não têm uma necessidade urgente de elogios, reconhecimento ou aplausos por suas virtudes, porque sabem quem são e que valem a pena.


A verdadeira humildade, portanto, é uma fonte de confiança, coragem e liberdade. Pessoas humildes não vão implorar por reconhecimento e não desanimam quando não entendem, porque a felicidade delas não depende da opinião de outras pessoas. Em contraste, as pessoas orgulhosas são muito sensíveis às críticas e são facilmente feridas e desencorajadas. Chesterton considerava o humor como o fundamento natural da humildade, porque aqueles que podem rir de si mesmos estão livres de todo orgulho.
Pessoas humildes têm um bom efeito sobre as pessoas ao seu redor


Ser verdadeiramente humilde e viver autenticamente faz com que outras pessoas se sintam confortáveis. Elas sabem que não precisam andar em cascas de ovos porque as pessoas humildes nem sempre são defensivas ou tentam se impor aos outros.
Pessoas humildes sabem reconhecer quando estão erradas, pedir perdão, procurar ajuda e reconhecer publicamente seus próprios erros. Elas são fáceis de lidar porque não sentem a necessidade de impor sua opinião ou estarem certas o tempo todo. Elas não têm medo de críticas, porque não precisam proteger uma imagem falsa de si mesmas. Pessoas humildes são gratas, capazes de reconhecer a generosidade de outras pessoas, e são empáticas, sabendo como ser compassivas com as deficiências de outras pessoas.
Em suma, longe de nos tornar pessoas negativas e improdutivas que se denigrem e nunca percebem o seu potencial, a verdadeira humildade nos torna mais humanos, livres, maduros, compassivos e gratos.(Aleteia)

Sexta, 15 Fevereiro 2019 11:37

Rejeitado projeto proibindo foguetes que causam barulho

Escrito por

Foi rejeitado por cinco votos contrários: Felipe Kinn da Silva, Juarez da Silva, Erico Velten, Neri de Mello Pena – Cabelo e Valdeci Alves de Castro, o projeto de lei 04/19, do vereador Talis Ferreira (PR), que proíbe a utilização, queima, soltura e manuseio de fogos de artifício, artefatos pirotécnicos, rojões e foguetes que causem poluição sonora, como estouros e estampidos, no município de Montenegro. Já os vereadores Talis Ferreira, Rose Almeida e Josi Paz foram favoráveis. O Regimento Interno proíbe o presidente da Câmara, Cristiano Braatz – Von de votar esse tipo de matéria. O vereador Joel Kerber estava retornando de Brasília e não participou.


Conforme o vereador, o projeto “visa o bem-estar de animais, idosos, doentes, bebês e crianças que sofrem com os estouros e estampidos que são responsáveis por uma forte poluição sonora”. Lamenta que “além de causar inúmeros acidentes, os fogos de artifício, rojões e foguetes produzem barulhos que assustam e causam pânico”.


Na Mensagem Justificativa, Talis alegou que muitas cidades brasileiras adotaram nova regra para suas comemorações populares: utilizar apenas artefatos silenciosos. “Por que fazer tanto barulho, se é possível promover uma festa igualmente linda sem os estrondos pirotécnicos?”. (Acom Câmara)

Sexta, 15 Fevereiro 2019 10:42

HM poderá perder emendas parlamentares

Escrito por

Na manhã de segunda-feira, dia 11, o presidente, Vereador Cristiano Braatz - Von, o vice Juarez da Silva e a Vereadora Rose Almeida estiveram no Hospital Montenegro.

Eles foram recebidos pela presidente da mantenedora, a Ordem Auxiliadora das Senhoras Evangélicas (OASE), Eliane Daudt, e pelo diretor Carlos Batista da Silveira, acompanhado da equipe técnica.
O Diretor Carlos Batista da Silveira, antes de iniciar a demonstração de dados, resultados e do planejamento futuro, elogiou a iniciativa da Câmara. Entusiasmado, Batista falou por aproximadamente três horas. Disse que atender pelo SUS é um desafio grande, de todos, e seria importante os municípios terem seus Pronto-Atendimentos funcionando, para os casos mais simples. “O Hospital tem que estar focado nos casos de urgências e emergências”, completou Batista.
O gerente financeiro Felipe Leser, de forma clara e objetiva, relatou que o Estado vem atrasando os pagamentos desde setembro, e que o dinheiro está acabando. “Estamos, inclusive, enfrentando dificuldades com os fornecedores”, desabafou. Outra preocupação de Batista e Leser é que, com a falta de repasses, não está sendo possível pagar os impostos, o que torna o Hospital inadimplente, trazendo o risco da perda de emendas parlamentares e de recursos federais.(Acom Câmara)

Se depender do Vereador Neri de Mello Pena, será criado um projeto proibindo que vereadores indiquem pessoas para atuarem na administração municipal. Ele parabenizou o Vereador Talis Ferreira pela proposta de propor que os legisladores não assumam cargos na prefeitura. Porém disse que é possível ir mais longe nessa questão. Ele defende a redução do número de CCs.(Foto:Acom Câmara)

O Vereador Talis Ferreira comenta que muitas cidades brasileiras adotaram nova regra para suas comemorações populares: utilizar apenas fogos de artifício silenciosos. “Por que fazer tanto barulho, se é possível promover uma festa igualmente linda sem os estrondos pirotécnicos?”, questiona Ferreira, mencionando pesquisas que indicam a existência de fogos de artifício silenciosos “que produzem espetáculos belíssimos e não causam danos às crianças, doentes, idosos e animais”.(Foto: Arquivo pessoal)

O crescente número de migrantes que optaram por viver em Montenegro gera indagações, por setores da comunidade. Buscando encontrar possíveis respostas, a Câmara na manhã de quinta (14), atendendo solicitação da vereadora Josi Paz (PSB), realizou um encontro sobre o tema. Teve participação de técnicos da Prefeitura, de entidades como ACI Montenegro/Pareci Novo e Sindilojas e de dois voluntários: o médico sanitarista Jorge Ossanai e a enfermeira Yasmin Braga.


Josi Paz esteve em 2018, na cidade de Caxias do Sul, conhecendo o case de sucesso Centro de Atendimento ao Migrante das Irmãs Scalabrinianas. Trouxe a temática para Montenegro, justificando que é visível o crescimento da quantidade de migrantes na cidade. “Precisamos saber quem são eles, quantos são e de onde vieram e o que, de fato, o poder público pode oferecer para eles”, pontua.


A vereadora alegou que, se existe algum diagnóstico neste sentido, ela não tem conhecimento. Uma das primeiras a se manifestar, Vera Scherer, do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), comentou que não ocorre uma procura dos migrantes pelo CREAS. No mesmo sentido, Marilisse Belmonte, da Secretaria Municipal de Saúde, relatou que os serviços da saúde estão sendo pouco acessados por eles. Ela acredita que um dos fatores pode ser a falta de documentos.


Representando a Secretaria Municipal de Educação, Cristiano Barreto Kochenborger falou sobre os indianos que buscaram os serviços da Educação e que chegaram sem documentos. Ficou claro, no andamento do debate, que a falta de documentação pode estar inibindo os migrantes, na busca de auxílio.


O médico sanitarista Jorge Ossanai, que fala mais de seis idiomas, disse estar disposto a contribuir de forma voluntária no que for preciso, principalmente na parte do diálogo e da aproximação. Acredita que um dos motivos do distanciamento talvez seja a própria língua. Outra voluntária, a enfermeira Yasmin Braga, acredita poder contribuir na parte da saúde da mulher, entendendo o que é a cultura delas. Edar Borges, Chefe de Gabinete, elogiou a iniciativa da vereadora e classificou como importante este tema, para a Administração.


Depois de amplo debate ficou decidido que serão apuradas as informações iniciais referentes aos migrantes na cidade, as quais serão trazidas para a mesa de discussões no próximo encontro, marcado para o dia 13 de março, às 9h30min. Outra medida definida é a realização de uma audiência pública em abril. (Acom:Câmara)